Vereador de Miracema preso por suspeita de assalto é transferido para presídio de Campos, no RJ – Tininho Blog

Vereador de Miracema preso por suspeita de assalto é transferido para presídio de Campos, no RJ

 

Guigui (MDB) foi preso nesta quarta-feira (31) durante a Operação Ficha Limpa.

 

O vereador Guigui (MDB), de Miracema, foi transferido na tarde desta quinta-feira (1º) para o Presídio Carlos Tinoco da Fonseca, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. O político foi preso por suspeita de assalto à mão armada na manhã desta quarta (31), durante a Operação Ficha Limpa.

Antes de ser transferido para Campos, Guillerni Ribeiro de Camargo passou a tarde e a noite de quarta na delegacia de Miracema e na manhã desta quinta foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Santo Antônio de Pádua, onde fez exame de corpo de delito.

Segundo o MPRJ, o vereador foi denunciado na quarta-feira (31) na 2ª Vara da Comarca de Miracema pelo crime de roubo, que prevê pena de reclusão de quatro a dez anos. Junto à denúncia, o MPRJ disse que também pediu a prisão preventiva do político.

Em entrevista ao RJ1 de quarta, a advogada do político informou que vai buscar as informações sobre o processo e que o vereador está tranquilo. Sobre as munições que foram apreendidas com ele durante a operação, a advogada disse que Guilherni faz parte de um clube de tiro.

Segundo a presidência da Câmara de Vereadores, a casa ainda não foi notificada sobre a prisão do vereador.

Operação Ficha Limpa

Policiais civis das delegacias de Miracema, Pádua e Itaperuna, agentes do Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) e policiais militares realizaram a Operação Ficha Limpa na manhã de quarta.

Durante a ação, foram presos o vereador Guigui, por suspeita de envolvimento em assaltos, e um homem suspeito de tráfico de drogas.

Segundo a Polícia Civil, as investigações tiveram início em dezembro do ano passado após um empresário do ramo de medicamentos denunciar o roubo de R$ 77 mil. A vítima contou aos policiais que o crime ocorreu após ele deixar o banco depois de ter sacado a quantia para pagar os funcionários da sua empresa.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, o vereador tinha um mandado de prisão pendente por roubo qualificado por uso de arma de fogo. A corporação divulgou ainda que ele também foi preso por porte ilegal de munição de arma de fogo de calibre restrito e permitido e está sendo investigado em outros casos de roubo na cidade.

A Polícia Civil informou também que um filho do vereador está foragido. Segundo o MPRJ, ele é acusado de portar arma de fogo sem autorização legal, enquadrando-se no artigo 12 da Lei 10.826/03, que prevê pena de reclusão de um a três anos e multa, e no artigo 16 da mesma legislação, com pena prevista de três a seis anos de prisão.

Operação Ficha Limpa foi realizada na manhã de quarta-feira (31) — Foto: Divulgação/Polícia Civil.
Agentes apreenderam munições durante a Operação Ficha Limpa — Foto: Divulgação/Polícia Civil.
Fonte: g1.globo.com/nortefluminense

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: